Sabemos que um grave problema de lidar para donos de bares, restaurantes ou estabelecimentos que comercializam alimentos é o tamanho das porções dispostas em seus alimentos.

É difícil escolher a quantidade certa para cada alimento e, claro, entender os diferentes gostos dos clientes. Principalmente quando tratamos que alimentos que são misturados a outros em um determinado prato.

Claro, é preciso colocar em primeiro lugar o que você gastou em toda a confecção do prato até chegar à mesa do cliente. Isso tem que ser levado em consideração na hora de pesar e dividir bem as porções dos pratos.

Porém, é necessário pensar também em uma variedade. Sim, isso é muito interessante.

Principalmente, na hora de montar o seu cardápio, dar opções para seu cliente escolher opções com mais ou menos quantidade de alimentos em seu prato pode ser muito interessante para seu negócio.

Como tudo em um bom negócio, é de extrema importância que haja um planejamento adequado antes de começar qualquer tipo de investimento.

Desse modo, é fundamental que busque maneiras em que se reduza custos e solucione problemas simples na hora de realizar a montagem de seus pratos e disponibilidades de seus produtos.

Sabemos que essa pode ser uma tarefa bem complicada. Quando falamos de um negócio que está apenas começando, fica mais difícil ainda.

Por ainda. Não conhecer muito bem o seu público e não entender as demandas do local, acaba ficando complicado saber quais produtos e quantidades disponibilizar.

Mas, nem tudo é tão difícil assim. Vamos entender um pouco sobre como é possível definir bem as quantidades dos seus produtos, antes mesmo de abrir um negócio ou adaptar seu catálogo para essas porções.

Montamos este artigo para elucidar um pouco para você alguns métodos para mensurar melhoras as porções dos seus produtos.

Montando o seu catálogo ou cardápio

Definir bem o seu cardápio é um bom ponto de partida para definir bem as porções dos seus produtos.

Uma pessoa adulta come, normalmente, de 100 g a 200 g, dependendo, é claro, do tipo de alimento que vai consumir. Bem, por lógica, uma quantidade de média de uma porção seria 150 g, não é mesmo?

Portanto, esse número pode ser interessante para você utilizar nas quantidades mais normais de alimentos.

Mas fique atento!

Entenda que uma série de fatores pode interferir nessa quantidade. Por exemplo, o público e o horário em que você irá vender os produtos.

Normalmente, ao final do dia, quando você encontra trabalhadores que tiveram uma jornada de trabalho maior durante o dia, certamente verá que essa quantidade não vai satisfazê-los totalmente.

Analise o seu cliente

Bem, sabemos que o seu negócio gira em torno dele: o cliente. Portanto, fazer uma análise do público que consome o seu produto é essencial para dividir bem as quantidades de seus produtos.

Vamos usar como exemplo um restaurante que atenda perto de uma zona industrial. Bem, naturalmente, o lugar atenderá trabalhadores que, em sua jornada de trabalho, possuem um alto gasto calórico.

Pela lógica, eles se alimentarão mais na hora das refeições, portanto, é interessante oferecer porções com mais quantidade de alimentos.

Outro exemplo interessante seria perto de escolas e faculdades. Nesses ambientes, normalmente, os consumidores procuram alimentos que podem ser consumidos mais rapidamente, portanto, é interessante investir em alimentos em menor quantidade.

Escolhendo os alimentos

Outro fator determinante para a disposição das porções em seus produtos é a escolha por quais alimentos serão colocados no prato.

Quando falamos de um alimento único, por exemplo, uma porção de batatas fritas, é normal que a quantidade seja menor e se encaixe facilmente para apenas uma pessoa.

Se falarmos em misturas, como a batata frita com alguma proteína, é interessante que a quantidade seja maior e sirva mais de uma pessoa. Já que, esse tipo de prato, normalmente não é consumido individualmente.

Lembra que falamos da quantidade lá em cima?

Pois é, chegamos à conclusão de que 150 g é uma quantidade média para uma pessoa, mas como falamos do público que você pretende atender, também pode variar essa quantidade, podemos citar que umas porção mista entre 200 g a 300 g seja ideal.

Essa seria uma ideia de porção média que atenderia facilmente uma pessoa individualmente. Se falarmos em atender duas pessoas ou mais, podemos trabalhar com a quantidade de 600 g.

A relação custo-benefício

Essa é uma excelente palavra para você e seu cliente. O custo-benefício pode ser utilizado para ofertar alimentos com mais quantidade e que, naturalmente, vão atrair mais clientes para o seu espaço.

Desse modo, é normal que ocorra uma quantidade maior de adeptos para consumir um mesmo prato e, de certa forma, acrescenta e muito em seu negócio.

O cliente sente que não sai prejudicado, pois paga por uma quantidade maior de alimentos e consome entre amigos, podendo assim, dividir a conta e não ficar no prejuízo.

Você também sai no lucro, pois pode calcular a quantidade certa que gastou para fazer o prato e, como irá disponibiliza-lo em maior quantidade, poderá cobrar um valor maior.

Cuidar o desperdício

O desperdício de alimentos é um vilão de todos os estabelecimentos. Sabemos que esse é um problema difícil de ser controlado, pois depende muito mais de sua clientela do que de você que fornece o produto.

Mas, é importante que se tenha entendimento, depois de um certo tempo, do tipo de clientes que você está atendendo e, através desse entendimento, adaptar e organizar a disposição de suas porções.

Sim, estamos falando de uma tarefa para o médio e longo prazo. Em um primeiro momento, será realmente mais complicado ter um controle exato do que os clientes consomem e, obviamente, você poderá sofrer um pouco com o desperdício.

Mas, também, não deixe dar o primeiro passo e analisar bem o tipo de cliente que você atende em seu estabelecimento. Esse será o seu Norte para todo o prosseguimento do negócio.

Gostou de saber um pouco sobre esse assunto? Então, veja mais conteúdo como esse em nosso blog.